Diagrama de Ishikawa

Diagrama de Ishikawa

Imprimir artigo
Kaoru Ishikawa integrou e expandiu os conceitos de gerenciamento de William Edwards Deming e Joseph Juran para o sistema japonês, e suas principais contribuições para Gestão da Qualidade foi em 1962 com o desenvolvimento do conceito de Círculo de Qualidade e em 1982 oficializando o Diagrama de Causa e Efeito que ficou conhecido como Diagrama de Ishikawa.

O Diagrama de Causa e Efeito gerou avanços significativos na melhoria da qualidade de produtos e processos nas empresas. Considerando que o processo de resolução de problemas é um dos pilares da Gestão da Qualidade, o Diagrama de Ishikawa tornou acessível e simples a utilização de uma ferramenta poderosa de análise de causa que pudesse ser usada por “não especialistas” da área.

Ishikawa e Deming usaram esse diagrama como uma das primeiras ferramentas no processo de gerência da qualidade.

O que é o Diagrama de Ishikawa?

O Diagrama de Ishikawa é uma das 7 ferramentas da Qualidade e também é conhecida como Diagrama de Espinha de Peixe, por causa do seu formato, ou Diagrama de Causa e Efeito, por ser composta pelo problema e suas possíveis causas.

A ferramenta é usada para encontrar, organizar, classificar, documentar e exibir graficamente as causas de um determinado problema, agrupados por categorias, que facilitam o brainstorming de ideias e análise da ocorrência. Como as causas são hierarquizadas, é possível identificar de maneira concreta as fontes de um problema.

Um brainstorming com a equipe pode incentivar uma análise aprofundada sobre o problema, que envolva a maioria das possíveis causas de um problema, pois promove a discussão, e consequente melhoria do processo.

Algumas palavras chave utilizadas na elaboração do Diagrama de Ishikawa são:

Efeito

aquilo que é produzido por uma causa, resultado, consequência

Problema

dificuldade na obtenção de um determinado objetivo ou resultado esperado, situação difícil que pede uma solução, no Diagrama de Ishikawa, é comum que o problema apareça como uma pergunta.

Causa

origem, motivo, razão de algo.

Causa primária ou Principal

causas mais notáveis, causas de primeiro nível que agruparão subcausas

Causa Secundária

subcausas das causas principais, ramificação das causas principais

 

O método do Ishikawa parte da hipótese de que para cada problema há um número limitado de causas primárias ou principais, secundárias, terciárias, e assim sucessivamente.

Por ser elaborado inicialmente para sistemas industriais, as causas são agrupadas em 6 categorias, que são conhecidas como 6 Ms: máquina, materiais, mão de obra, meio ambiente, método e medidas.

Máquina

Aqui devemos considerar todas as causas originadas de falhas no maquinário usado durante o processo, como funcionamento incorreto, falha mecânica, etc.

Materiais

Quando o problema é causado pois a matéria-prima ou o material que foi utilizado no processo não está em conformidade com as exigências para a realização do trabalho, ou seja, está fora das especificações necessárias para ser usado, como produto em tamanho incorreto, vencido, fora da temperatura ideal, etc.

Mão de obra

Os problemas também podem envolver atitudes e dificuldades das pessoas na execução do processo, e podem incluir: pressa, imprudência, falta de qualificação, falta de competência, etc.

Meio-ambiente

Neste item, devemos analisar o ambiente interno e ambiente externo da empresa e identificar quais são os fatores que favorecem a ocorrência dos problemas, como poluição, calor, falta de espaço, layout, barulho, reuniões, etc.

Método

Os processos, procedimentos e métodos usados durante as atividades também podem influenciar para que o problema ocorra, ou seja, devemos analisar o quanto a forma de trabalhar influenciou o problema, por exemplo se houve planejamento, se foi executado conforme o planejado, se as ferramentas certas foram utilizadas, etc.

Medidas

Essa categoria abrange causas que envolvem as métricas que são usadas para medir, monitorar e controlar o trabalho, como efetividade dos instrumentos de calibração, indicadores, metas e cobranças.

Apesar da existência dessas categorias, a ferramenta é flexível para que a empresa adeque as categorias de acordo com a sua necessidade.

Para que é utilizado?

A ferramenta foi desenvolvida com o intuito de facilitar a visualização das fontes de um problema, para simplificar a análise de causa e chegar à causa-raiz do problema.

Preenchido, o diagrama é uma exibição do nível de compreensão do problema. Quanto maior o número de ramificações no diagrama, mais profundo é o entendimento e detalhamento da ocorrência do problema.

Além de análise de processo, também é muito utilizada na gestão de projetos e gestão de riscos.

Como fazer?

  1. Definir o problema que será resolvido;
  2. Fazer um brainstorming com a equipe, usando a pergunta “Por que este problema aconteceu? ” relacionando com cada uma das categorias (6Ms);
  3. Analisar as causas, perguntando: “por que essa causa aconteceu? ”, criando ramificações de causas e subcausas para gerar um diagrama mais completo com níveis mais profundos de causas;
  4. Analisar dados e evidências das causas que foram identificadas na construção do diagrama, para chegar à causa-raiz.
  5. Criar planos de ação para eliminar a ocorrência ou mitigar os efeitos da causa-raiz.

Exemplos:

Na análise crítica, a Alta Direção de um restaurante self service verificou uma queda brusca no faturamento nos últimos 4 meses. Em comparação ao mesmo período dos últimos 5 anos, que eram estáveis, essa era uma redução de 30% do faturamento. Ao continuar a análise, verificaram que nos últimos 6 meses, houve um crescente número de queixas dos clientes referente a demora no atendimento e que o movimento diário tem diminuído desde então.

A Alta Direção convocou então um brainstorming para analisar a demora no atendimento.

 

Diagrama de Ishikawa
para Demora no Atendimento

Sobre o autor
Grupo Forlogic

O Grupo Forlogic trabalha para, com tecnologia e inovação, simplificar o trabalho de pessoas apaixonadas pelo que fazem, inspirando as equipes a se engajar e evoluir no caminho da excelência.

Sumário
FF